Invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022

Invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022
Guerra Russo-Ucraniana
Russian bombardment of telecommunications antennas in Kiev.jpg
2022 Russian invasion of Ukraine.svg
Acima: bombardeio russo contra
a Torre de televisão de Kiev em 1 de março.

Abaixo: mapa do território da Ucrânia:
     Controle ucraniano      Ocupação russa
(setas vermelhas indicam ofensivas russas; setas azuis indicam ofensivas ucranianas)

Data 24 de fevereiro de 2022 – presente
Local Ucrânia
Situação Em andamento
Beligerantes

Apoio:  União Europeia
Comandantes
Unidades
 Rússia Veja aqui de maneira detalhada  Ucrânia Veja aqui de maneira detalhada
Forças
Baixas
Segundo a Rússia:
  • 1 351 soldados russos mortos (até 25 de março)[13]
  • 3 825 feridos[13]

Perdas separatistas:

  • 2 843 combatentes mortos, 9 663 feridos[14]

Segundo a Ucrânia:

  • + 37 400 soldados russos mortos[15]
  • 10 525 equipamentos perdidos (veículos, aeronaves, navios, etc)[15]

Segundo os Estados Unidos/Reino Unido:

  • 15 000 – 20 000 soldados e separatistas mortos[16]
Segundo a Rússia:
  • 23 367 soldados ucranianos mortos[17]
  • 7 823 equipamentos perdidos (veículos, aeronaves, navios, etc)[18]


Segundo a Ucrânia:

  • 2 500 – 3 000 soldados mortos (até 15 de abril)[19]
  • 10 000 soldados feridos[19]


Segundo os Estados Unidos:

  • 5 500 – 11 000 soldados mortos, 18 000+ feridos[20]
Civis:
12 000 – 28 081 ucranianos mortos (segundo a Ucrânia)[21][22][23]
~ 4 889 ucranianos mortos, 6 263 feridos (segundo a ONU)[24]
8 792 763 refugiados e 8 000 000+ deslocados internamente (segundo a ONU)[25][26]

Em 24 de fevereiro de 2022, a Rússia lançou uma invasão militar em larga escala contra a Ucrânia, um de seus países vizinhos a sudoeste, marcando uma escalada acentuada para um conflito que começou em 2014. Vários analistas chamaram a invasão de a maior invasão militar na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.[27][28][29]

Após a Revolução da Dignidade na Ucrânia em 2014, a Rússia anexou a Crimeia, enquanto as forças separatistas apoiadas pelo governo russo tomaram parte da região do Donbas no sudeste da Ucrânia.[30][31] Desde o início de 2021, um acúmulo de presença militar russa ocorreu ao longo da fronteira Rússia-Ucrânia. Os Estados Unidos e outros países acusaram a Rússia de planejar uma invasão da Ucrânia, embora as autoridades russas repetidamente negassem que tinham essa intenção.[32] Durante a crise, o presidente russo Vladimir Putin descreveu a ampliação da OTAN pós-1997 como uma "ameaça à segurança" de seu país, uma afirmação que a OTAN rejeita,[33] e exigiu que a Ucrânia fosse permanentemente impedida de ingressar na OTAN.[34] Putin também expressou opiniões irredentistas russas[35] e questionou o direito de existir da Ucrânia.[36][37] Antes da invasão, tentando fornecer casus belli, Putin acusou a Ucrânia de cometer "genocídio" contra seus cidadãos que falam russo, o que foi amplamente descrito como falso e infundado.[38][39]

Em 21 de fevereiro de 2022, Putin reconheceu a República Popular de Donetsk e a República Popular de Lugansk, duas regiões autoproclamadas como Estados, controladas por separatistas pró-Rússia em Donbas.[40] No dia seguinte, o Conselho da Federação da Rússia autorizou por unanimidade o uso da força militar e as tropas russas entraram em ambos os territórios.[41] Em 24 de fevereiro, Putin anunciou uma "operação militar especial", supostamente para "desmilitarizar" e "desnazificar" a Ucrânia.[42] Minutos depois, mísseis atingiram locais em todo o território ucraniano, incluindo Kiev, a capital. A Guarda de Fronteira Ucraniana relatou ataques a postos fronteiriços com a Rússia e a Bielorrússia.[43][44] Pouco depois, as forças terrestres russas entraram na Ucrânia.[45] O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky promulgou a lei marcial e clamou por uma mobilização geral no país.[46][47]

A invasão recebeu ampla condenação da comunidade internacional, incluindo novas sanções impostas à Rússia, o que começou a desencadear uma crise financeira no país.[48] De acordo com as estimativas do Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, até 1º de maio de 2022 mais de 5,5 milhões de ucranianos fugiram do seu país por causa da guerra, e mais de 7 milhões foram obrigados a se deslocar internamente.[49] Protestos globais ocorreram contra a invasão, enquanto que os protestos que aconteceram na Rússia foram respondidos com prisões em massa e o governo russo aumentou significativamente a repressão à mídia independente.[50][51] Um grande número de empresas iniciou um boicote à Rússia e à Bielorrússia. Vários Estados forneceram ajuda humanitária e militar à Ucrânia.[52] Em resposta à ajuda militar, Putin colocou as forças nucleares da Rússia em alerta máximo, aumentando as tensões com o Ocidente, enquanto levantava a possibilidade de uma escalada para uma guerra nuclear.[53]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra Russo-Ucraniana

Contexto pós-soviético[editar | editar código-fonte]

Após a dissolução da União Soviética em 1991, a Ucrânia e a Rússia continuaram a manter laços estreitos. Em 1994, a Ucrânia concordou em abandonar seu arsenal nuclear e assinou o Memorando de Budapeste sobre Garantias de Segurança, sob a condição de que a Rússia, o Reino Unido e os Estados Unidos enviassem uma garantia contra ameaças ou uso de força contra a integridade territorial ou independência política de Ucrânia. Cinco anos depois, a Rússia foi um dos signatários da Carta para a Segurança Europeia, onde "reafirmou o direito inerente de cada Estado participante de ser livre para escolher ou alterar seus arranjos de segurança, incluindo tratados de aliança, à medida que evoluem".[54]

Apesar de ser um país independente reconhecido desde 1991, como ex-república soviética, a Ucrânia era vista pela elite russa como parte de sua esfera de influência. Em 2008, o presidente russo Vladimir Putin se manifestou contra a adesão da Ucrânia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).[55][56] Em 2009, o analista romeno Lulian Chifu e seus co-autores opinaram que em relação à Ucrânia, a Rússia buscou uma versão atualizada da Doutrina Brezhnev, que dita que a soberania da Ucrânia não pode ser maior que a dos Estados-membros do Pacto de Varsóvia antes do colapso da esfera de influência soviética durante o final dos anos 1980 e início dos anos 1990.[57] Esta visão baseia-se na premissa de que as ações da Rússia para aplacar o Ocidente no início da década de 1990 deveriam ter sido recebidas com reciprocidade pelo Ocidente, sem a expansão da OTAN ao longo da fronteira da Rússia.[58]

Revolução Ucraniana de 2014, anexação da Crimeia e Guerra em Donbas[editar | editar código-fonte]

Protestos Euromaidan em Kiev em 2013

Após semanas de protestos como parte do movimento Euromaidan (2013–2014), o presidente ucraniano pró-russo Viktor Yanukovych e os líderes da oposição parlamentar ucraniana assinaram um acordo, em 21 de fevereiro de 2014, que pedia eleições antecipadas. No dia seguinte, Yanukovych fugiu de Kiev antes de uma votação de impeachment que o destituiu de seus poderes como presidente.[59][60][61] Líderes das regiões orientais de língua russa da Ucrânia declararam lealdade contínua a Yanukovych,[62] causando os protestos pró-Rússia de 2014 na Ucrânia.[63] A agitação foi seguida pela anexação da Crimeia pela Rússia em março de 2014 e pela Guerra em Donbas, que começou em abril de 2014, com a criação dos quase-estados apoiados pela Rússia das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk.[64][65]

Após 2014, um dos principais vetores da política externa da Ucrânia foi a adesão acelerada do país à UE e à OTAN; as disposições relevantes foram incluídas na constituição da Ucrânia, em 2019. Ao mesmo tempo, a Rússia se opõe categoricamente à entrada da Ucrânia na OTAN , afirmando que isso representa uma ameaça para ela.[66][67]

Em 14 de setembro de 2020, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky aprovou a nova Estratégia de Segurança Nacional da Ucrânia, "que prevê o desenvolvimento de uma parceria distinta com a OTAN, com o objetivo de ser membro da OTAN".[68][69][70] Em 24 de março de 2021, Zelensky assinou o Decreto nº 117/2021 que aprova a “estratégia de desocupação e reintegração do território temporariamente ocupado da República Autônoma da Crimeia e da cidade de Sebastopol”.[71]

Em julho de 2021, Putin publicou um ensaio intitulado Sobre a unidade histórica de russos e ucranianos, no qual reafirmou sua visão de que russos e ucranianos eram “um só povo”.[72] O historiador estadunidense Timothy Snyder descreveu as ideias de Putin como "imperialismo".[73] O jornalista britânico Edward Lucas descreveu-o como "revisionismo histórico".[74] Outros observadores notaram que a liderança russa tem uma visão distorcida da Ucrânia moderna e da sua história.[75][76][77]

A Rússia afirmou que uma possível adesão da Ucrânia à OTAN e a ampliação da OTAN, em geral, ameaçam sua segurança nacional.[78][79][80] Por sua vez, a Ucrânia e outros países europeus vizinhos da Rússia acusaram Putin de tentar restaurar o Império Russo/União Soviética e de perseguir políticas militaristas agressivas.[81][82][83][84][85]

Prelúdio da invasão[editar | editar código-fonte]

O conflito começou com uma grande movimentação militar de tropas russas na fronteira Rússia-Ucrânia, inicialmente de março a abril de 2021 e depois de outubro de 2021 a fevereiro de 2022. Durante a segunda escalada militar, a Rússia emitiu exigências aos Estados Unidos e à OTAN, avançando dois projetos de tratados que continham solicitações para o que chamou de "garantias de segurança", incluindo uma promessa juridicamente vinculativa de que a Ucrânia não ingressaria na OTAN, bem como uma redução em tropas da OTAN e equipamentos militares estacionados na Europa Oriental[86] e ameaçou uma resposta militar não especificada se a OTAN continuasse a seguir uma "linha agressiva".[87]

Acusações russas[editar | editar código-fonte]

Acusações de genocídio[editar | editar código-fonte]

Em 9 de dezembro de 2021, o presidente russo Vladimir Putin falou de discriminação contra falantes de russo fora da Rússia, dizendo: "Devo dizer que a russofobia é um primeiro passo para o genocídio. Você e eu sabemos o que está acontecendo em Donbass. Certamente parece muito com genocídio".[88][89] Em 15 de fevereiro de 2022, Putin repetiu à imprensa: "O que está acontecendo no Donbass é exatamente genocídio".[90] Os meios de comunicação observaram que, apesar desta acusação, o próprio presidente ucraniano Volodymyr Zelensky é um falante nativo de russo.[91]

Várias organizações internacionais, incluindo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a Missão Especial de Monitoramento da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) para a Ucrânia e o Conselho da Europa, não encontraram evidências que apoiassem as alegações russas de "genocídio",[92][93][94][95] que também foram rejeitadas pela Comissão Europeia, como desinformação russa.[96]

A embaixada dos Estados Unidos na Ucrânia descreveu a alegação de genocídio russo como "falsidade repreensível",[97] enquanto o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse que Moscou estava fazendo tais alegações como uma desculpa para invadir a Ucrânia.[90] Em 18 de fevereiro, o embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, respondeu a uma pergunta sobre funcionários dos EUA, que duvidavam do fato do genocídio de russos em Donbass, postando uma declaração na página da Embaixada no Facebook que dizia: "Os americanos preferem não apenas ignorar as tentativas de assimilação forçada dos russos na Ucrânia, mas também as apoia política e militarmente".[98]

Acusação de nazismo[editar | editar código-fonte]

Uma das várias justificações apresentadas por Vladimir Putin para a invasão da Ucrânia foi "acabar com o nazismo no vizinho", apesar do país ter um governo democrático e um governante judeu, filho de sobreviventes do Holocausto.[99][100]

Ultranacionalistas e neonazistas entraram nos combates formando tropas paramilitares que, às vezes, atuavam com as Forças Armadas do país.[99] Estimulados por políticos como o presidente Petro Poroshenko (2014–2019). O seu ministro Arsen Avakov controlava as milícias, a polícia e a Guarda Nacional. Eles estavam ligados ao líder de um dos principais grupos da direita radical, o Batalhão Azov.[99]

Supostos confrontos[editar | editar código-fonte]

Os combates em Donbas aumentaram significativamente em 17 de fevereiro de 2022. Enquanto o número diário de ataques nas primeiras seis semanas de 2022 variou de dois a cinco,[101] os militares ucranianos relataram 60 ataques em 17 de fevereiro, mas a mídia estatal russa relatou mais de 20 ataques de artilharia contra posições separatistas no mesmo dia.[101] Por exemplo, o governo ucraniano acusou separatistas russos de bombardear um jardim de infância em Stanytsia Luhanska, usando artilharia e ferindo três civis. A República Popular de Lugansk disse que suas forças foram atacadas pelo governo ucraniano com morteiros, lançadores de granadas e metralhadoras.[102][103]

No dia seguinte, a República Popular de Donetsk e a República Popular de Lugansk ordenaram a evacuação obrigatória de civis de suas respectivas capitais, embora tenha sido observado que as evacuações completas levariam meses para serem realizadas.[104][105][106][107] A mídia ucraniana relatou um aumento acentuado no bombardeio de artilharia dos militantes liderados pela Rússia em Donbass, como tentativas de provocar o exército ucraniano.[108][109]

Em 21 de fevereiro, o Serviço Federal de Segurança (FSB) da Rússia anunciou que o bombardeio ucraniano havia destruído uma instalação de fronteira do FSB, a 150 metros da fronteira Rússia-Ucrânia no Oblast da Rostóvia.[110] Separadamente, o serviço de imprensa do Distrito Militar do Sul da Rússia anunciou que as forças russas mataram, na manhã daquele dia, um grupo de cinco sabotadores perto da vila de Mityakinskaya, no Oblast da Rostóvia, que havia penetrado na fronteira da Ucrânia em dois veículos de combate de infantaria, que foram destruídos.[111] A Ucrânia negou estar envolvida em ambos os incidentes e os chamou de operação de bandeira falsa.[112] Além disso, dois soldados ucranianos e um civil foram mortos por bombardeios na vila de Zaitseve, 30 km ao norte de Donetsk.[113]

Vários analistas, incluindo o site investigativo Bellingcat, publicaram evidências de que muitos dos alegados ataques, explosões e evacuações em Donbass foram encenados pela Rússia.[114][115][116]

Em 21 de fevereiro, a Usina Termelétrica de Lugansk, na República Popular de Lugansk, foi bombardeada por forças desconhecidas.[117]

Intervenção em Donbass[editar | editar código-fonte]

21 de fevereiro[editar | editar código-fonte]

Em 21 de fevereiro de 2022, após o reconhecimento das repúblicas de Donetsk e Lugansk, o presidente Putin ordenou que tropas russas (incluindo tanques) fossem enviadas para Donbas, no que a Rússia chamou de "missão de paz".[118][119] Mais tarde, naquele dia, vários meios de comunicação de países aliados à OTAN confirmaram que as forças russas estavam entrando em Donbass.[120][121][122][123]

22 de fevereiro[editar | editar código-fonte]

Discurso de Putin à nação russa em 22 de fevereiro de 2022

Em 22 de fevereiro de 2022, o presidente estadunidense Joe Biden afirmou que "o início de uma invasão russa da Ucrânia" havia ocorrido. O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, e o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, disseram que "nova invasão" ocorreu. O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, afirmou: "Não existe invasão menor, média ou grande. Invasão é invasão." O chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, afirmou que "as tropas russas [chegaram] em solo ucraniano" no que era "[não] uma invasão de pleno direito".[124]

No mesmo dia, o Conselho da Federação autorizou, por unanimidade, Putin a usar força militar fora da Rússia. Por sua vez, o presidente Zelensky ordenou o recrutamento dos reservistas da Ucrânia, embora ainda não tenha se comprometido com a mobilização geral.[125]

Em 23 de fevereiro, a Ucrânia anunciou um estado de emergência nacional, excluindo os territórios ocupados em Donbas, que entrou em vigor à meia-noite.[126][127] No mesmo dia, a Rússia começou a evacuar sua embaixada em Kiev e também baixou a bandeira russa do topo do prédio.[128] Ainda em 23 de fevereiro, os sites do parlamento e do governo ucraniano, juntamente com sites bancários, foram atingidos por ataques DDoS.[129]

Conselho de Segurança das Nações Unidas[editar | editar código-fonte]

A intervenção de 21 de fevereiro no Donbass foi amplamente condenada pelo Conselho de Segurança da ONU e não recebeu nenhum apoio.[130] O embaixador do Quênia, Martin Kimani, comparou o movimento de Putin ao colonialismo e disse: "Devemos completar nossa recuperação das brasas dos impérios mortos de uma forma que não nos leve de volta a novas formas de dominação e opressão".[131]

Outra reunião do Conselho de Segurança da ONU foi convocada de 23 a 24 de fevereiro de 2022. A Rússia invadiu a Ucrânia durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU com o objetivo de neutralizar a crise. O secretário-geral Antonio Guterres havia declarado "Dê uma chance à paz".[132] A Rússia ocupava a presidência do Conselho de Segurança da ONU em fevereiro de 2022 e tem poder de veto como um dos cinco membros permanentes.[132][133]

Invasão[editar | editar código-fonte]

Em 24 de fevereiro, pouco antes das 06h00, horário de Moscou (UTC+3), Putin anunciou que havia tomado a decisão de lançar uma "operação militar especial" no leste da Ucrânia.[134] Em seu discurso, ele afirmou que não havia planos para ocupar o território ucraniano e que apoiava o direito do povo da Ucrânia à autodeterminação.[135][136] Ele disse que o objetivo da "operação" era "proteger as pessoas" na região predominantemente de língua russa de Donbas que, segundo Putin, "há oito anos, enfrentam humilhações e genocídios perpetrados pelo regime de Kiev".[137] Putin também afirmou que a Rússia buscava a "desmilitarização e desnazificação" da Ucrânia.[138] Minutos depois do anúncio de Putin, explosões foram relatadas em Kiev, Kharkiv, Odessa e Donbass.[139]

Imediatamente após o ataque, Zelensky anunciou a introdução da lei marcial na Ucrânia;[140] na mesma noite, ele ordenou uma mobilização geral de todos os homens ucranianos entre 18 e 60 anos.[47] As tropas russas entraram na Ucrânia de quatro direções principais: do norte, via Bielorrússia, em direção a Kiev; do nordeste, da Rússia, em direção a Kharkiv; do leste, da República Popular de Donetsk e da República Popular de Lugansk; e do sul, pela região anexada da Crimeia.[141]

Analistas ocidentais avaliaram amplamente que os militares russos pareciam estar realizando uma invasão rápida, para atingir seus aparentes objetivos primários: a tomada de Kiev, a ocupação do leste da Ucrânia e o deslocamento do governo ucraniano para o oeste. As forças russas, contudo, por fim ficaram paralisadas, devido a vários fatores, incluindo a disparidade de moral e desempenho entre as tropas ucranianas e russas, o uso ucraniano de armas portáteis sofisticadas fornecidas por aliados ocidentais, má logística, baixo desempenho dos equipamentos e o fracasso da força aérea russa em garantir a superioridade aérea.[142]

Um blindado russo BMD-2 destruído pelos ucranianos na batalha por Hostomel.

Enquanto continuavam o cerco das principais cidades do leste e do norte da Ucrânia, as forças russas experimentaram um desgaste significativo.[143][144] Incapazes de alcançar uma vitória rápida, as tropas russas mudaram de estratégia e começaram a usar táticas mais comuns, incluindo bombardeios indiscriminados e guerra de cerco.[142][145][146]

Em 25 de março, o Ministério da Defesa russo anunciou o que eles chamavam de "primeira etapa da operação militar na Ucrânia" estava praticamente concluída, com as forças armadas ucranianas sofrendo sérias perdas, e os militares russos agora estariam se concentrando no objetivo principal, a "libertação de Donbass".[147][148] Analistas e autoridades no Ocidente, contudo, contestaram esta informação, afirmando que o avanço russo, mais lento e mais difícil que o antecipado, havia empacado e perdido força frente à resistência ucraniana, com as tropas russas sofrendo pesadas baixas e desmoralizadas.[149]

Frente Norte[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ofensiva de Kiev
Um prédio em Kiev atingido por um míssil russo

No primeiro dia, as tropas russas começaram a avançar em direção a Kiev. Na Batalha de Chernobil, os russos tomaram o controle das cidades fantasmas de Chernobil e Pripiat, incluindo a Usina Nuclear de Chernobil;[150] seu avanço foi impedido pela forte resistência das tropas ucranianas.[151] Após seu avanço em Chernobil, as forças russas começaram a Batalha de Ivankiv. Algumas forças russas conseguiram romper Ivankiv e capturaram o estrategicamente significativo Aeroporto Antonov, localizado a apenas 20 quilômetros a noroeste de Kiev.[152] Na Batalha do Aeroporto Antonov, combates ferozes ocorreram entre 24 e 25 de fevereiro,[153] com tropas ucranianas tentando repelir várias vezes as Forças Aerotransportadas russas. O aeroporto acabou caindo nas mãos dos russos.[154] Durante essa batalha o avião Antonov An-225 Mriya, o maior cargueiro do mundo, foi destruído no local.[155][156]

No início da manhã de 26 de fevereiro, paraquedistas das forças aerotransportadas russas iniciaram a Batalha de Vasylkiv, 40 quilômetros ao sul de Kiev, em uma tentativa de proteger a Base Aérea de Vasylkiv. Pesados ​​combates entre os paraquedistas russos e os defensores ucranianos ocorreram na cidade.[157][158]

Em março, avanços russos a oeste do rio Dnipro foram limitados, sofrendo pesadas baixas em intensos combates contra os militares ucranianos.[159][160] Em 5 de março, um grande comboio militar russo, de 64 km de comprimento, tinha feito pouco progresso em direção de Kiev.[161] No começo de março, o think tank Royal United Services Institute (RUSI) afirmou que a invasão russa no norte havia praticamente "empacado".[162] Avanços ao longo da linha em Chernihiv haviam sido detidos e um cerco a esta cidade começou. Tropas russas continuaram avançando pelo norte em direção da capital Kiev, capturando as regiões de Bucha, Hostomel e Vorzel,[163][164] embora o município de Irpin permanecesse sob cerco.[165]

Em 11 de março, foi reportado que o imenso comboio militar de veículos russos ao norte havia se dispersado, tomando cobertura nas florestas, sendo atacados pelos ucranianos com artilharia e bombardeios com aeronaves.[166] Em 16 de março, as forças ucranianas começaram uma série de contra-ofensivas ao norte de Kiev para aliviar a pressão sobre a capital.[167] Em 25 de março, algumas cidades e subúrbios a noroeste e leste de Kiev foram retomados pelos ucranianos, como a região de Makariv.[168] Em 31 de março, os russos evacuaram Chernobil e começaram a se retirar de várias regiões ao norte da capital.[169] No começo de abril, praticamente todas as áreas ao redor de Kiev já haviam voltado para as mãos dos ucranianos, incluindo Irpin, Bucha e Hostomel, com os russos se retirando de forma generalizada do norte do país.[170] Além do Oblast de Kiev, a Rússia também abandonou as regiões de Chernigov e Jitomir, completando sua retirada do norte da Ucrânia em 8 de abril.[171][172]

Frente Oriental[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ofensiva do leste da Ucrânia
Filmagem de uma região do Leste da Ucrânia após o início da invasão russa

No nordeste, as tropas russas tentaram capturar Kharkiv e Sumy, ambas localizadas a menos de 35 quilômetros da fronteira russa.[173][174] De acordo com o exército ucraniano, a Batalha de Konotop foi perdida em 25 de fevereiro.[175][176] Na Batalha de Kharkiv, os tanques russos encontraram forte resistência. Em 28 de fevereiro, a cidade foi alvo de vários ataques de mísseis que ceifaram várias vidas. A batalha foi descrita por um conselheiro presidencial ucraniano como a "Stalingrado do século XXI".[177] Na Batalha de Sumy, apesar da pouca resistência inicial, soldados e milícias ucranianas começaram a enfrentar as forças russas dentro da cidade, resultando em uma guerra urbana intensa.[178][179][180]

Na manhã de 25 de fevereiro, as Forças Armadas da Rússia avançaram do território da República Popular de Donetsk, no leste, em direção a Mariupol e encontraram forças ucranianas perto da vila de Pavlopil, onde foram derrotadas.[181][182][183] A Marinha Russa teria iniciado um ataque anfíbio no litoral do Mar de Azov, 70 quilômetros a oeste de Mariupol, na noite de 25 de fevereiro. Um oficial de defesa dos Estados Unidos afirmou que os russos estavam potencialmente mobilizando milhares de infantaria naval russa desta cabeça de ponte.[184][185][186] Em 1º de março, as forças da República Popular de Donetsk cercaram quase completamente a cidade vizinha de Volnovakha e logo fariam o mesmo com Mariupol.[187]

Em 25 de março, o ministério da defesa russo afirmou que a Rússia estava preparada para entrar na segunda fase das operações militares, que se focaria na tentativa de ocupar as principais cidades do leste da Ucrânia. Segundo uma reportagem da mídia estatal russa, divulgando uma nota do ministério da defesa, forças separatistas pró-Rússia já controlavam 93% da região de Luhansk e 54% de Donetsk — as duas áreas no leste que formavam a região de Donbass".[188]

No começo de abril, as tropas russas completaram sua retirada do Oblast de Sumy.[189] Com o fim das ofensivas no norte, o exército russo começou a mobilizar tropas e equipamentos para focar suas operações na região de Donbas, aumentando o bombardeio por todo o leste da Ucrânia.[190] Enquanto isso, em meados de maio, a ofensiva russa contra Kharkiv havia oficialmente falhado.[191] No começo de maio, após dois meses de movimentação pela região, o exército russo atacou as cidades de Severodonetsk e Lysychansk, como parte de sua ofensiva maior para conquistar por completo o Oblast de Lugansk. Apesar do recuo inicial dos ucranianos, a resistência foi ficando feroz, com ambos os lados sofrendo pesadas baixas.[192] Severodonetsk acabou caindo em mãos russas em 25 de junho, após sete semanas de violentos combates.[193] Já Lysychansk caiu uma semana mais tarde, consolidando os ganhos russos na região de Lugansk.[194]

Frente Sul[editar | editar código-fonte]

Tropas russas cruzam a Ucrânia vindas a partir da Crimeia em 24 de fevereiro

Em 24 de fevereiro, tropas russas assumiram o controle do Canal da Crimeia do Norte, permitindo que a Crimeia obtivesse abastecimento de água para a península, do qual estava isolada desde 2014.[195] O ataque também se moveu para o leste, em direção a Mariupol, iniciando um cerco da cidade e ligando a frente com as regiões separatistas de Donbas.[196][197] Em 1º de março, as forças russas começaram a se preparar para retomar seu ataque a Melitopol e outras cidades, iniciando a Batalha de Melitopol.[198] Ivan Fedorov, o prefeito de Melitopol, mais tarde afirmou que os russos haviam ocupado a cidade[199] Em 2 de março, a Batalha de Kherson foi vencida pelas tropas russas.[200]

Outras forças russas avançaram para o norte da Crimeia em 26 de fevereiro, com o 22º Corpo do Exército da Rússia se aproximando da Usina Nuclear de Zaporizhia.[201][202] Em 3 de março, eles começaram o cerco de Enerhodar em uma tentativa de assumir o controle da usina nuclear. Um incêndio se desenvolveu durante o tiroteio.[203] A Agência Internacional de Energia Atômica afirmou que equipamentos essenciais não foram danificados.[204][205] Em 4 de março, a Usina Nuclear de Zaporizhia havia sido capturada pelas forças russas, mas embora incêndios fossem reportados, não havia vazamento de radiação.[206]

Em 24 de março, tropas russas avançavam em direção ao centro da cidade de Mariupol, que naquela altura já estava cercada fazia um mês e estava em ruínas devido aos combates e bombardeios.[207] Em 21 de abril, após quase dois meses de sítio, o exército russo e as forças separatistas de Donbas começaram a retirar boa parte de suas tropas e equipamentos da cidade. O presidente Putin então declarou vitória na Batalha de Mariupol, embora combates de pequena intensidade acontecessem e um forte bolsão de resistência ucraniana permanecesse no complexo siderúrgico e metalúrgico de Azovstal.[208] Enquanto isso, os russos mantinham uma ofensiva em direção de Odessa, mas enfrentavam forte resistência, tentando avançar pela cidade de Mykolaiv, e não conseguiram tomar a região.[209]

Destroços de uma aeronave russa abatida perto de Chernihiv.

Entre 16 e 20 de maio de 2022, com a rendição dos últimos soldados ucranianos na complexo metalúrgico de Azovstal, o cerco a cidade de Mariupol foi encerrado, com os russos assumindo o controle da principal cidade do sudeste da Ucrânia.[210]

Combates aéreos e navais[editar | editar código-fonte]

Em 24 de fevereiro, o Serviço de Guarda de Fronteira do Estado da Ucrânia anunciou, por volta das 18:00, hora local, que um ataque à Ilha das Serpentes por navios da Marinha Russa havia começado. O cruzador Moskva e o barco de patrulha Vasily Bykov bombardearam a ilha com seus canhões de convés.[211] Quando o navio de guerra russo se identificou e instruiu os soldados ucranianos estacionados na ilha a se renderem, sua resposta foi: "Navio de guerra russo, vá se foder!"[212][213] Após o bombardeio, um destacamento de soldados russos desembarcou e assumiu o controle da ilha.[214]

Em 25 de fevereiro, forças militares ucranianas atacaram a base aérea de Millerovo com mísseis OTR-21 Tochka, destruindo aviões da Força Aérea Russa e incendiando a base aérea, segundo alguns oficiais ucranianos.[215][216] No ataque ao aeroporto de Zhytomyr em 27 de fevereiro, foi relatado que a Rússia usou sistemas de mísseis 9K720 Iskander, localizados na Bielorrússia, para atacar o aeroporto civil.[217]

Em 3 de março, foi relatado que a fragata ucraniana Hetman Sahaidachny foi afundada no porto de Mykolaiv, para evitar sua captura pelas forças russas.[218]

No dia 13 de abril, o governo ucraniano afirmou que um míssil R-360 Neptune atingiu o cruzador russo Moskva no Mar Negro, que afundou no dia seguinte. Esta perda foi um importante golpe contra a Frota do Mar Negro da Rússia.[219] Não se sabe ao certo quantos marinheiros a bordo do Moskwa morreram no ataque. O governo russo admitiu que apenas 1 tripulante foi morto, 27 estavam desaparecidos e outros 396 militares foram resgatados, mas não confirmou ou negou se o cruzador havia sido atacado por mísseis ucranianos.[220] Fontes independentes russas alegaram que o número de mortos chegava a 37.[221]

Crise humanitária[editar | editar código-fonte]

Mortos e feridos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Baixas na Guerra Russo-Ucraniana
Civis buscando refúgio no sistema de metrô de Kiev

Refugiados[editar | editar código-fonte]

Voluntário polonês ajuda o refugiado na estação de trem de Przemyśl

Devido à contínua escalada militar ao longo da fronteira ucraniana, muitos governos vizinhos e organizações de ajuda estavam se preparando para um possível evento de deslocamento em massa de refugiados, nas semanas anteriores à invasão. Em dezembro de 2021, o Ministro da Defesa da Ucrânia estimou que uma invasão poderia forçar entre três e cinco milhões de pessoas a fugir de suas casas.[222]

Refugiados na estação de trem de Przemyśl na Polônia

De acordo com o Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, mais de meio milhão de ucranianos fugiram do país nos primeiros quatro dias após a invasão;[223] cerca de 281 mil foram para a Polônia, quase 85 mil para a Hungria, pelo menos 36,3 mil para a Moldávia, mais de 32,5 mil para a Romênia, 30 mil para a Eslováquia e cerca de 34,6 mil para vários outros países.[223] Na primeira semana, um milhão de refugiados fugiram da Ucrânia;[224][225] eram predominantemente mulheres e crianças,[226][227][228] pois os cidadãos ucranianos do sexo masculino entre 18 e 60 anos tiveram sua saída proibida pelo governo ucraniano.[229]

Em 24 de fevereiro, o governo da Letônia aprovou um plano de contingência para receber e acomodar cerca de 10 mil refugiados da Ucrânia[230] e dois dias depois os primeiros refugiados, assistidos pela Associação dos Samaritanos da Letônia, começaram a chegar. Várias organizações não governamentais, municípios, escolas e instituições também se comprometeram a fornecer alojamento.[231] Em 27 de fevereiro, cerca de 20 motoristas profissionais voluntários partiram para Lublin, na Polônia, com suprimentos doados, trazendo refugiados ucranianos para a Letônia, no caminho de volta.[232] Para facilitar as passagens de fronteira, a Polônia e a Romênia suspenderam as regras de entrada impostas por conta da pandemia de COVID-19.[233][234]

O governo húngaro anunciou que todas as pessoas que cruzam a fronteira da Ucrânia, aquelas sem documento de viagem e que chegam de países terceiros também, serão admitidas após a triagem apropriada.[235] O primeiro-ministro Viktor Orbán disse que a Hungria é um "lugar amigável" para as pessoas que chegam da Ucrânia.[236] Muitos dos ucranianos que fugiram para a Hungria eram húngaros transcarpáticos; nenhum deles solicitou qualquer forma de proteção até 25 de fevereiro.[237]

A maioria dos refugiados ucranianos que cruzaram a Romênia entraram por Siret, no condado de Suceava.[238] Nos primeiros três dias após a invasão, 31 mil ucranianos entraram na Romênia, dos quais apenas 111 solicitaram alguma forma de proteção. Muitos usaram o passaporte romeno ou ucraniano que possuíam, preferindo não pedir asilo, por enquanto. EM 26 de fevereiro, o Ministério do Interior da Romênia aprovou a instalação do primeiro acampamento móvel perto da alfândega de Siret.[239]

Como era esperado um grande grupo de refugiados na Bulgária,[240] vários municípios anunciaram sua intenção de fornecer acomodação para búlgaros e ucranianos que fugiam do país, e começaram a modificar e construir moradias para os recém-chegados.[241]

Em 26 de fevereiro, a Eslováquia anunciou que daria dinheiro a pessoas que apoiassem refugiados ucranianos. No dia anterior, a Eslováquia havia recebido mais de 10 mil refugiados, a maioria mulheres e crianças.[242]

Em 1º de maio de 2022, de acordo com as estimativas do Alto-comissariado das Nações Unidas, o número de refugiados havia subido para mais de 5,5 milhões, e mais de 7 milhões de ucranianos haviam sido obrigados a se deslocar internamente.[49]

Alegações de discriminação e racismo[editar | editar código-fonte]

No final de fevereiro, foi noticiado que, nos dias anteriores, o Serviço de Guarda Fronteiriça do Estado da Ucrânia nos postos fronteiriços perto de Medyka e Shehyni não havia permitido que não ucranianos (muitos deles estudantes estrangeiros presos no país) cruzassem a fronteira para nações vizinhas seguras,[243] alegando que a prioridade estava sendo dada aos cidadãos ucranianos para atravessar primeiro. O ministro das Relações Exteriores ucraniano disse que não havia restrições à saída de cidadãos estrangeiros da Ucrânia e que a força de fronteira foi instruída a permitir que todos os cidadãos estrangeiros saíssem.[244][245] De acordo com Bal Kaur Sandhu, secretário-geral da Khalsa Aid, estudantes indianos que tentavam deixar a Ucrânia enfrentaram sérias dificuldades e discriminação ao tentar cruzar a fronteira, foram submetidos à violência e "foram informados verbalmente que seu governo não está nos apoiando".[246] Discriminação semelhante foi relatada por africanos que tentavam sair.[247][248]

Crimes de guerra[editar | editar código-fonte]

Civil ucraniano morto durante o bombardeio russo de Chernihiv. Em primeiro plano um carrinho de bebê

A invasão da Ucrânia foi considerada uma violação da Carta das Nações Unidas e constituiu um crime de agressão de acordo com o direito penal internacional, levantando a possibilidade de que o crime de agressão pudesse ser julgado sob jurisdição universal.[249][250][251] A invasão também violou o Estatuto de Roma, que proíbe "a invasão ou ataque pelas forças armadas de um Estado do território de outro Estado, ou qualquer ocupação militar, ainda que temporária, resultante de tal invasão ou ataque, ou qualquer anexação pelo uso de força do território de outro Estado ou parte dele". A Ucrânia não ratificou o Estatuto de Roma e a Rússia retirou sua assinatura em 2016.[252]

Em 25 de fevereiro, a Anistia Internacional disse que havia coletado e analisado evidências mostrando que a Rússia havia violado o direito internacional humanitário, incluindo ataques que poderiam ser considerados crimes de guerra; também disse que as alegações russas de usar apenas armas guiadas com precisão eram falsas.[253][254] A Anistia e a Human Rights Watch disseram que as forças russas realizaram ataques indiscriminados a áreas civis e ataques a hospitais, incluindo o disparo de um míssil balístico 9M79 Tochka com uma ogiva de munição cluster em direção a um hospital em Vuhledar, que matou quatro civis e feriu outros dez, incluindo seis profissionais de saúde.[255][256] Dmytro Zhyvytskyi, governador do Oblast de Sumy, disse que pelo menos seis ucranianos, incluindo uma menina de sete anos, morreram em um ataque russo a Okhtyrka em 26 de fevereiro, e que um jardim de infância e um orfanato foram atingidos.[257]

Em 27 de fevereiro, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, pediu ao Tribunal Penal Internacional (TPI) que investigasse o atentado no jardim de infância de Okhtyrka.[258] No mesmo dia, a Ucrânia entrou com uma ação contra a Rússia perante o Tribunal Internacional de Justiça, acusando a Rússia de violar a Convenção do Genocídio ao alegar falsamente o genocídio como pretexto para operações militares contra a Ucrânia.[259] Em 28 de fevereiro, Karim Ahmad Khan, procurador-chefe do TPI, disse que havia uma "base razoável" para alegações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade após a análise preliminar do caso pelo TPI.[260] Trinta e nove estados encaminharam oficialmente a situação na Ucrânia ao TPI. Em 3 de março, Khan anunciou que estavam sendo coletadas evidências de supostos crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio cometidos por indivíduos de todos os lados durante a invasão e que uma investigação completa seria aberta.[261]

Em 28 de fevereiro, a Anistia Internacional e a Human Rights Watch denunciaram o uso de munições de fragmentação e armas termobáricas pelas forças de invasão russas na Ucrânia. O uso de munições cluster na guerra é proibido pela Convenção sobre Munições Cluster de 2008, embora a Rússia e a Ucrânia não façam parte desta convenção.[262] Tanto o governo ucraniano quanto o russo se acusaram mutuamente de usar escudos humanos.[263][264] Em 1º de março, o presidente Zelensky disse que havia evidências de que áreas civis haviam sido alvejadas durante um bombardeio de artilharia russa em Kharkiv no início daquele dia, e descreveu isso como um crime de guerra.[265]

Violação como arma de guerra[editar | editar código-fonte]

Segundo especialistas e autoridades ucranianas, há indícios de que a violência sexual pode ser tolerada pelo comando russo e usada de forma sistemática e deliberada como arma de guerra.[266][267] [268]

Em março de 2022, a Missão de Monitoramento de Direitos Humanos da ONU na Ucrânia enfatizou os riscos elevados de violência sexual e o risco de subnotificação por parte das vítimas no país. Após a retirada russa das áreas ao norte de Kiev, de acordo com o The Guardian , houve um "corpo crescente de evidências" de estupro, tortura e assassinatos sumários por forças russas infligidos a civis ucranianos, incluindo violações coletivas cometidos sob a mira de armas e estupros cometidos na frente das crianças.[268]

Reações internacionais[editar | editar código-fonte]

Sanções[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sanções contra a Rússia
  Rússia
  Ucrânia
  Países que baniram aeronaves russas de seu espaço aéreo em resposta à invasão

Países ocidentais e outros começaram a impor sanções limitadas à Rússia quando reconheceu a independência da região de Donbas. Com o início dos ataques em 24 de fevereiro, um grande número de países adicionais começou a aplicar sanções com o objetivo de paralisar a economia russa. As sanções foram amplas, visando indivíduos, bancos, empresas, trocas monetárias, transferências bancárias, exportações e importações.[269][270][271]

Faisal Islam, da BBC News, afirmou que as medidas estavam longe de ser sanções normais e eram "mais bem vistas como uma forma de guerra econômica". A intenção das sanções era empurrar a Rússia para uma recessão profunda com a probabilidade de corridas bancárias e hiperinflação. Islam observou que atingir um banco central de um membro do G20 dessa maneira é algo que nunca havia sido feito antes.[272] O vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia e ex-presidente Dmitry Medvedev ridicularizou as sanções ocidentais impostas à Rússia, incluindo sanções pessoais, e comentou que elas eram um sinal de "impotência política" resultante da retirada da OTAN do Afeganistão. Ele ameaçou nacionalizar os ativos estrangeiros que as empresas detinham na Rússia.[273]

Em 25 de fevereiro, o Reino Unido proibiu a companhia aérea russa e a transportadora aérea Aeroflot, bem como os jatos particulares russos, do espaço aéreo do Reino Unido. No mesmo dia, Polônia, Bulgária e República Tcheca anunciaram que fechariam seu espaço aéreo para as companhias aéreas russas;[274][275] a Estônia seguiu o exemplo no dia seguinte.[276] Em resposta, a Rússia baniu os aviões britânicos de seu espaço aéreo. A S7 Airlines, a maior transportadora doméstica da Rússia, anunciou que estava cancelando todos os voos para a Europa[275] e a norte-americana Delta Air Lines anunciou que estava suspendendo os laços com a Aeroflot.[277] A Rússia também baniu de seu espaço aéreo todos os voos de companhias aéreas na Bulgária, Polônia e República Tcheca.[278] Estônia, Romênia, Lituânia e Letônia anunciaram que também baniriam as companhias aéreas russas de seu espaço aéreo.[279] A Alemanha também baniu aeronaves russas de seu espaço aéreo.[280] Em 27 de fevereiro, o Ministério dos Negócios Estrangeiros português anunciou que tinha fechado o espaço aéreo português aos aviões russos.[281] No mesmo dia, a UE anunciou que fecharia seu espaço aéreo para aeronaves russas.[282][283][284]

Impacto econômico[editar | editar código-fonte]

Kristalina Georgieva, diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, alertou que o conflito representa um risco econômico substancial para a região e para todo o mundo. Ela acrescentou que o Fundo pode ajudar outros países afetados pelo conflito, complementando um pacote de empréstimo de 2,2 bilhões de dólares para ajudar a Ucrânia. David Malpass, presidente do Grupo Banco Mundial, disse que o conflito teria efeitos econômicos e sociais de longo alcance e informou que o banco estava preparando opções para um apoio econômico e fiscal significativo aos ucranianos e à região.[285]

Apesar das sanções internacionais sem precedentes contra a Rússia, os pagamentos por matérias-primas energéticas foram amplamente poupados dessas medidas, assim como o fornecimento de alimentos devido ao potencial impacto nos preços mundiais dos alimentos. A Rússia e a Ucrânia são os principais produtores de trigo que é exportado através do Estreito do Bósforo para países do Mediterrâneo e do Norte da África.[286][287]

O presidente Zelensky visitando áreas devastadas ao norte da cidade de Kiev, em abril de 2022.

As sanções econômicas afetaram a Rússia desde o primeiro dia da invasão, com o mercado de ações caindo 39% (Índice RTS), com quedas semelhantes nos dias seguintes. O rublo russo também caiu para mínimos recordes, com os russos correndo para trocar dinheiro.[288][289][290] As bolsas de valores em Moscou e São Petersburgo foram suspensas até pelo menos 9 de março, o fechamento mais longo da história da federação russa.[291] Em 26 de fevereiro, a S&P Global Ratings rebaixou a classificação de crédito do governo russo para "lixo", fazendo com que os fundos que exigem títulos com grau de investimento despejassem a dívida russa, dificultando muito mais empréstimos para a Rússia.[292]

Como resultado da invasão, os preços do petróleo Brent subiram acima de 100 dólares o barril pela primeira vez desde 2014.[293] A invasão ameaçou o fornecimento de energia da Rússia para a Europa e pode impactar os fluxos através de gasodutos, como o Nord Stream,[294][295] fazendo com que os países europeus busquem diversificar suas rotas de fornecimento de energia.[296] Os analistas disseram que, dependendo do cenário do preço do petróleo, os preços do petróleo podem subir para 125 a 185 dólares o barril.[297][298]

Os preços do trigo atingiram seus preços mais altos desde 2008 em resposta ao ataque.[299] Na época da invasão, a Ucrânia era o quarto maior exportador de milho e trigo e o maior exportador mundial de óleo de girassol, com a Rússia e a Ucrânia exportando juntas 29% da oferta mundial de trigo e 75% das exportações mundiais de óleo de girassol. Em 25 de fevereiro, o contrato futuro de trigo de referência no Chicago Board of Trade atingiu seu preço mais alto desde 2012, com os preços do milho e da soja também em alta. O presidente da American Bakers Association alertou que o preço de qualquer coisa feita com grãos começaria a subir, pois todos os mercados de grãos estão inter-relacionados.[300] Em 4 de março de 2022, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) informou que o Índice Mundial de Preços de Alimentos atingiu um recorde histórico em fevereiro, registrando um aumento de 24% ano a ano. A maioria dos dados do relatório de fevereiro foi compilada antes do ataque, mas analistas disseram que um conflito prolongado pode ter um grande impacto nas exportações de grãos.[301][302]

O economista-chefe agrícola do Wells Fargo afirmou que a Ucrânia provavelmente seria severamente limitada em sua capacidade de plantar na primavera de 2022 e perderia um ano agrícola, enquanto um embargo às colheitas russas criaria mais inflação nos preços dos alimentos. A recuperação das capacidades de produção agrícola pode levar anos, mesmo depois que os combates pararem.[300] Os preços crescentes do trigo resultantes do conflito pressionaram países como o Egito, que são altamente dependentes das exportações russas e ucranianas de trigo, e provocaram temores de agitação social.[303] Em 24 de fevereiro, a China anunciou que retiraria todas as restrições ao trigo russo, no que o South China Morning Post chamou de potencial "salva-vidas" para a economia russa.[304]

Ajuda militar[editar | editar código-fonte]

  Rússia
  Ucrânia
  Países que forneceram equipamentos militares à Ucrânia durante a invasão de 2022

Após a invasão, as nações ocidentais começaram a assumir novos compromissos de entrega de armas. Bélgica,[305] República Tcheca,[306] Estônia,[307] França, Grécia, Países Baixos, Portugal[308] e o Reino Unido anunciaram que enviariam suprimentos para apoiar e defender os militares e o governo ucraniano.[309] Em 24 de fevereiro, a Polônia entregou alguns suprimentos militares à Ucrânia, incluindo 100 morteiros, várias munições e mais de 40 mil capacetes.[310][311] Enquanto alguns dos 30 membros da OTAN concordaram em enviar armas, a OTAN como organização não o fez.[52]

Em 27 de fevereiro, a UE concordou em comprar armas coletivamente para a Ucrânia. O chefe de política externa da UE, Josep Borrell, afirmou que compraria 450 milhões de euros (502 milhões de dólares) em assistência letal e um adicional de 50 milhões de euros (56 milhões de dólares) em suprimentos não letais. Borrell disse que os ministros da Defesa da UE ainda precisam determinar os detalhes de como comprar o material e transferi-lo para a Ucrânia, mas que a Polônia concordou em atuar como um centro de distribuição.[312][313][314] Borrell também afirmou que pretendia fornecer à Ucrânia caças que eles já são capazes de pilotar. Estes não seriam pagos através do pacote de assistência de 450 milhões de euros. Polônia, Bulgária e Eslováquia tinham exemplares de MiG-29 e a Eslováquia também tinha o Su-25, que eram caças que a Ucrânia já voava e podiam ser transferidos sem treinamento de pilotos.[315] Em 1º de março, Polônia, Eslováquia e Bulgária confirmaram que não forneceriam caças para a Ucrânia.[316]

Em 26 de fevereiro, o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, anunciou que havia autorizado 350 milhões de dólares em assistência militar letal, incluindo "sistemas antiblindagem e antiaérea, armas pequenas e munições de vários calibres, coletes à prova de balas e equipamentos relacionados"[317][318] A Rússia afirmou que os drones dos Estados Unidos deram inteligência à Marinha da Ucrânia para ajudar a atingir seus navios de guerra no Mar Negro, o que os EUA negaram.[319] Em 27 de fevereiro, Portugal anunciou que enviaria fuzis automáticos H&K G3 e outros equipamentos militares.[308] A Suécia e a Dinamarca decidiram enviar 5 mil e 2,7 mil armas antitanque, respectivamente, para a Ucrânia.[320][321] A Dinamarca também forneceu peças de 300 mísseis Stinger não operacionais, que os Estados Unidos primeiro ajudariam a tornar operacionais.[322] A Turquia também forneceu drones Bayraktar TB2.[323]

O governo norueguês, depois de inicialmente dizer que não enviaria armas para a Ucrânia, mas enviaria outros equipamentos militares como capacetes e equipamentos de proteção,[324][325][282] anunciou em 28 de fevereiro que também doaria até 2 mil M72 LAW armas de antitanque para a Ucrânia.[326][327][328] Em uma mudança de política igualmente importante para um país neutro, a Finlândia anunciou que enviaria 2,5 mil fuzis de assalto junto com 150 mil cartuchos, 1,5 mil armas antitanque de tiro único e 70 mil pacotes de ração de combate, para adicionar aos coletes à prova de bala, capacetes e suprimentos médicos já anunciados.[329]

Fora da Europa, a Ucrânia ainda recebeu auxílio da Austrália, que enviou vários equipamentos militares letais, como munição e foguetes, e não-letais, como radares, comida e suprimentos médicos.[330] Também foram enviados carros blindados MRAP Bushmaster.[331] A Nova Zelândia enviou capacetes e Coletes à prova de balas.[332] O Japão, país historicamente neutro e com pouca exportação de equipamentos militares, anunciou que estava enviando coletes e capacetes.[333]

Organizações internacionais[editar | editar código-fonte]

Em 27 de fevereiro, Ursula von der Leyen anunciou que a União Europeia proibiria os meios de comunicação estatais russos RT e Sputnik em resposta à desinformação e sua cobertura do conflito na Ucrânia.[334] Ela também disse que a UE financiaria a compra e entrega de equipamentos militares à Ucrânia e propôs a proibição de aeronaves russas usando o espaço aéreo da UE.[335]

A vice-primeira-ministra ucraniana Olha Stefanishyna com o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, na conferência de 10 de janeiro de 2022 sobre uma potencial invasão russa

Polônia, Romênia, Lituânia, Letônia e Estônia desencadearam consultas de segurança da OTAN sob o Artigo 4 do Tratado do Atlântico Norte. O governo estoniano emitiu uma declaração do primeiro-ministro Kaja Kallas que diz: "A agressão generalizada da Rússia é uma ameaça para o mundo inteiro e para todos os países da OTAN e as consultas da OTAN sobre o fortalecimento da segurança dos seus Aliados devem ser iniciadas para implementar medidas adicionais para garantir a defesa. A resposta mais eficaz à agressão da Rússia é a unidade".[336] Em 24 de fevereiro, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, anunciou novos planos que "nos permitirão enviar capacidades e forças, incluindo uma Força de Resposta da OTAN, para onde forem necessárias".[337] Após a invasão, a OTAN anunciou planos para aumentar sua presença militar nos países bálticos, na Romênia e na Polônia.[338][339]

Após a reunião do Conselho de Segurança da ONU de 25 de fevereiro, Stoltenberg anunciou que partes da Força de Resposta da OTAN seriam enviadas, pela primeira vez, para membros da OTAN ao longo da fronteira oriental do bloco. Ele afirmou que as forças incluiriam elementos da Força-Tarefa Conjunta de Alta Prontidão (VJTF), atualmente liderada pela França.[340] Stoltenberg afirmou ainda que alguns membros da OTAN estão fornecendo armas para a Ucrânia, incluindo as de defesa aérea. Os Estados Unidos anunciaram em 24 de fevereiro que enviariam 7 mil soldados para se juntar aos 5 mil soldados estadunidenses que já estão na Europa.[340] As forças da OTAN incluem o USS Harry S. Truman, que entrou no Mar Mediterrâneo na semana anterior como parte de um exercício planejado. O grupo de ataque do porta-aviões foi colocado sob o comando da OTAN, a primeira vez que isso ocorreu desde o fim da Guerra Fria.[341]

Uma resolução do Conselho de Segurança da ONU para exigir que a Rússia se retire da Ucrânia foi vetada pela própria Rússia em 25 de fevereiro.
  Votou a favor
  Votou contra
  Abstenção
  Não participou

O secretário-geral da ONU, António Guterres, instou a Rússia a encerrar imediatamente a agressão na Ucrânia, enquanto os embaixadores da França e dos Estados Unidos anunciaram que apresentariam uma resolução ao Conselho de Segurança da ONU em 25 de fevereiro de 2022.[342][343] Em 25 de fevereiro, a Rússia vetou um projeto de resolução do Conselho de Segurança que "deplorava, nos termos mais fortes, a agressão da Federação Russa", como esperado. Onze países votaram a favor e três se abstiveram, entre eles China, Índia e Emirados Árabes Unidos.[344] 27 de fevereiro é a data marcada para o Conselho de Segurança da ONU votar sobre a realização de uma sessão especial de emergência da Assembleia Geral da ONU para votar uma resolução semelhante. Se a votação for aprovada, espera-se que a sessão da Assembleia Geral seja realizada em 28 de fevereiro.[345]

O Conselho da Europa suspendeu os direitos de representação da Rússia na instituição.[346] Pela primeira vez desde a sua fundação, a OTAN ativou a força de resposta, permitindo aos seus membros recorreram mais rapidamente ao apoio da organização militar.[347] A OCDE cancelou definitivamente o processo de adesão da Rússia, suspenso desde 2014, e encerrou a representação em Moscovo.[348]

Protestos e boicote[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Bandeira branca-azul-branca
Manifestantes antiguerra em Moscou, 24 de fevereiro de 2022

Quase 2 mil russos em 60 cidades em toda a Rússia foram detidos pela polícia em 24 de fevereiro por protestar contra a invasão, de acordo com OVD-Info;[349] o Ministério do Interior da Rússia justificou essas prisões devido às "restrições do coronavírus, inclusive em eventos públicos" que continuam em vigor.[350] As autoridades russas alertaram os russos sobre as repercussões legais por participarem de protestos contra a guerra.[351] O vencedor do Prêmio Nobel da Paz, Dmitry Muratov, anunciou que o jornal Novaya Gazeta publicará sua próxima edição em ucraniano e russo. Muratov, o jornalista Mikhail Zygar e outros assinaram um documento afirmando que a Ucrânia não era uma ameaça para a Rússia e pedindo aos cidadãos russos que denunciassem a guerra.[352]

Protestos em apoio à Ucrânia foram em todo o mundo. Na República Tcheca, cerca de 80 mil pessoas protestaram na Praça Venceslau em Praga.[353] Em 27 de fevereiro, mais de 100 mil pessoas se reuniram em Berlim para protestar contra a invasão da Rússia.[354] Durante a votação do referendo constitucional, manifestantes bielorrussos em Minsk gritaram "Não à guerra" nos locais de votação.[355] Em 28 de fevereiro, em vez do tradicional desfile do Carnaval de Colônia, que havia sido cancelada devido à pandemia de COVID-19,[356][357] mais de 250 mil, em vez dos 30 mil previstos, reuniram-se em uma marcha pela paz para protestar contra a invasão russa.[358]

O Portão de Brandemburgo, iluminou-se com as cores da bandeira ucraniana durante um protesto de solidariedade em Berlim, Alemanha, 24 de fevereiro de 2022. O monumento é visível da embaixada russa nas proximidades.[359]

Um movimento de boicote contra produtos russos e bielorrussos se espalhou rapidamente. Na Lituânia, Letônia e Estônia, a maioria dos supermercados removeu produtos russos e bielorrussos, como alimentos, bebidas, revistas e jornais.[360][361][362] No Canadá, os conselhos de controle de bebidas de várias províncias foram obrigados a remover o álcool fabricado na Rússia das prateleiras.[363][364] Nos Estados Unidos, alguns estados impuseram restrições legais à venda de bebidas alcoólicas russas e muitos bares, restaurantes e varejistas de bebidas alcoólicas retiraram as marcas russas da venda voluntariamente, com alguns apoiando as bebidas ucranianas em mais uma demonstração de solidariedade com a Ucrânia.[365][366] Após protestos, os monopólios do álcool finlandês, norueguês e sueco pararam a venda de bebidas alcoólicas russas.[367][368] Além disso, os dois principais varejistas da Finlândia retiraram produtos russos de suas prateleiras.[369] A Apple parou de vender iPhones e outros produtos na Rússia. Harley-Davidson, General Motors e Volvo suspenderam todas as suas operações na Rússia.[370] A varejista sueca de roupas H&M suspendeu temporariamente as vendas no país, fechando mais de 150 lojas.[371] Longas filas foram vistas nos locais da IKEA em 3 de março, o último dia antes de suas 17 lojas na Rússia fecharem.[372] Também foram relatados casos de discriminação contra a diáspora russa.[373]

Negociações[editar | editar código-fonte]

Em 28 de fevereiro, negociadores ucranianos e russos começaram a realizar rodadas de negociações na Bielorrússia, para alcançar um cessar-fogo e implementar corredores humanitários para a evacuação de civis. Após três rodadas de discussões, nenhum acordo foi firmado.[374]

Em 5 de março, o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett viajou a Moscou, onde participou de uma reunião com Putin, que durou 3 horas. Depois, Bennet viajou até a Alemanha, onde se reuniu com o chanceler alemão Olaf Scholz. As viagens ocorreram com conhecimento prévio de Zelensky, que já havia pedido ajuda de Israel para mediar o conflito, como também solicitou o apoio dos Estados Unidos e da França.[375]

Em 7 de março, como condições para acabar com a operação militar, o Kremlin listou três demandas:[376]

  1. Neutralidade da Ucrânia;
  2. Reconhecimento da península da Crimeia como território russo, que foi anexado pela Rússia em 2014;
  3. Reconhecimento das repúblicas de Donetsk e Luhansk como estados independentes de jure, com base no direito de autodeterminação dos povos.[376]

Desinformação[editar | editar código-fonte]

Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, em 24 de fevereiro, a mídia online e os jornais locais foram quase completamente consumidos pela guerra.[377] Plataformas de mídia social como Telegram, Whatsapp, YouTube, TikTok, Instagram e Facebook se tornaram poderosas ferramentas de ativismo político e propaganda que, em muitos casos, acabaram ampliando a desinformação sobre a invasão e relatando informações que os meios de comunicação pró OTAN e pró Putin silenciaram.[378][379]

Em todos os países, foram relatados vários casos de desinformação sobre o conflito ucraniano. Na Rússia e na Ucrânia, protestos de rua, TV estatal, jornais, manipulações online foram motivados por interesses políticos, principalmente para desacreditar adversários políticos internos e nações que apoiam o adversário. Ambos os países atacam os movimentos pela paz e pedem às pessoas, organizações, corporações e países que tomem partido.[380]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Tropas russas invadiram a Ucrânia a partir do território bielorrusso.[2]

Referências

  1. Lister, Tim; Kesa, Julia. «Ukraine says it was attacked through Russian, Belarus and Crimea borders». CNN. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2022 
  2. Murphy, Palu (24 de fevereiro de 2022). «Troops and military vehicles have entered Ukraine from Belarus». CNN. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2022 
  3. «NATO allies to provide more weapons to Ukraine, Stoltenberg says». Reuters. Consultado em 25 de fevereiro de 2022. NATO Secretary-General Jens Stoltenberg said on Friday the alliance was deploying parts of its combat-ready response force and would continue to send weapons to Ukraine, including air defences 
  4. a b May 10, Bill Bostock; 2022; Am, 7:37. «Putin puts GRU in charge of Ukraine intel after FSB failures: report». Business Insider (em inglês). Consultado em 10 de maio de 2022 
  5. «Russian special forces have entered Kyiv to hunt down Ukraine's leaders, says Zelensky». inews.co.uk (em inglês). 25 de fevereiro de 2022. Consultado em 21 de março de 2022 
  6. https://liveuamap.com/pt/2022/21-april-russian-fsb-report-several-ukrainian-citizens-detained
  7. «Líder da Chechênia anuncia envio de tropas para a Ucrânia». Poder 360. 26 de fevereiro de 2022. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  8. «National Police transferred to combat alert in Ukraine». Interfax Ukraine. 14 de fevereiro de 2022. Consultado em 27 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2022 
  9. Julian E., Barnes; Michael, Crowley; Eric, Schmitt (10 de janeiro de 2022). «Russia Positioning Helicopters, in Possible Sign of Ukraine Plans». The New York Times (em inglês). Consultado em 20 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2022 
  10. Bengali, Shashank (18 de fevereiro de 2022). «The U.S. says Russia's troop buildup could be as high as 190,000 in and near Ukraine.». The New York Times (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2022 
  11. a b The military balance 2021. Abingdon, Oxon: International Institute for Strategic Studies. 2021. ISBN 978-1032012278 
  12. The Military Balance 2022. [S.l.]: International Institute for Strategic Studies. Fevereiro de 2022. ISBN 9781000620030 
  13. a b «Russian army says 1,351 soldiers killed in Ukraine». Al Arabiya (em inglês). Consultado em 25 de março de 2022 
  14. O DPR afirmou que 780 dos seus militares foram mortos e 3 609 foram feridos entre 1 de janeiro e 31 de março de 2022, [1] dos quais 13 morreram e 50 foram feridos entre 1 de janeiro e 25 de fevereiro de 2022, [2] totalizando assim 2 343 mortos e 9 663 feridos no período da invasão, pelo República de Donetsk. Já a República de Luhansk reportou entre 500 e 600 mortos.
  15. a b «Кількість втрат особового складу окупантів перевищила 32 тис. осіб – Генштаб ЗСУ». Interfax.com. Consultado em 11 de julho de 2022 
  16. «Vladimir Putin's army suffered up to 20,000 deaths in Ukraine, say officials». Consultado em 9 de junho de 2022 
  17. "Russian Defense Ministry to publish data on military deaths from Ukrainian documents". Página acessada em 17 de abril de 2022.
  18. «Russian forces destroy over 140 aircraft, 110 helicopters in Ukraine operation - top brass». TASS. Consultado em 3 de maio de 2022 
  19. a b Herb, Jeremy (15 de abril de 2022). «Exclusive: Zelensky says world should be prepared for possibility Putin could use nuclear weapons». CNN. Consultado em 17 de abril de 2022 
  20. «Russia's Thrust in Eastern Ukraine Combines Firepower and New Caution». The New York Times. 19 de abril de 2022. Consultado em 19 de abril de 2022 
  21. «'Why? Why? Why?' Ukraine's Mariupol descends into despair». Consultado em 4 de abril de 2022. Cópia arquivada em 19 de março de 2022 
  22. Shells rain down on Kharkiv as Ukraine's army stands firm
  23. «At least 500 Kharkiv city residents killed so far in war with Russia – emergency service». Consultado em 19 de março de 2022. Cópia arquivada em 16 de março de 2022 
  24. «Ukraine: civilian casualty update 4 July 2022». Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights. Consultado em 4 de julho de 2022 
  25. «Refugee arrivals from Ukraine (desde 24 de fevereiro de 2022)*». Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Consultado em 11 de julho de 2022. Cópia arquivada em 19 de março de 2022 
  26. «Nearly 20% of Ukrainian population has been internally displaced, UN says». The Washington Examiner. Consultado em 29 de abril de 2022 
  27. Herb, Jeremy; Starr, Barbara; Kaufman, Ellie (24 de fevereiro de 2022). «US orders 7,000 more troops to Europe following Russia's invasion of Ukraine». CNN. Consultado em 27 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2022 
  28. Karmanau, Yuras; Heintz, Jim; Isachenkov, Vladimir; Litvinova, Dasha (24 de fevereiro de 2022). «Russia presses invasion to outskirts of Ukrainian capital». ABC News. Kyiv: American Broadcasting Corporation. Associated Press. Consultado em 26 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2022 
  29. Tsvetkova, Maria; Vasovic, Aleksandar; Zinets, Natalia; Charlish, Alan; Grulovic, Fedja (27 de fevereiro de 2022). «Putin puts nuclear 'deterrence' forces on alert». Reuters. Kyiv: Thomson Corporation. Consultado em 27 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2022 
  30. Kirby, Jen (28 de fevereiro de 2022). «Putin's invasion of Ukraine, explained». Vox. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  31. «Conflict in Ukraine». Global Conflict Tracker. Council on Foreign Relations. 28 de fevereiro de 2022. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  32. Farley, Robert; Kiely, Eugene (24 de fevereiro de 2022). «Russian Rhetoric Ahead of Attack Against Ukraine: Deny, Deflect, Mislead». FactCheck.org. Annenberg Public Policy Center. Consultado em 26 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2022 
  33. «NATO-Russia relations: the facts». NATO. 27 de janeiro de 2022. Consultado em 1 de março de 2022 
  34. Wiegrefe, Klaus (15 de fevereiro de 2022). «NATO's Eastward Expansion: Is Vladimir Putin Right?». Der Spiegel. ISSN 2195-1349. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  35. «Russia's invasion of Ukraine». The Economist. 26 de fevereiro de 2022. ISSN 0013-0613. Consultado em 26 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2022 
  36. Perrigo, Billy (22 de fevereiro de 2022). «How Putin's Denial of Ukraine's Statehood Rewrites History». Time. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  37. «Putin Says He Does Not Plan to 'Restore Empire'». The Moscow Times. 22 de fevereiro de 2022. Consultado em 2 de março de 2022 
  38. «Ukraine crisis: Vladimir Putin address fact-checked». BBC News. 22 de fevereiro de 2022. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2022 
  39. Hinton, Alexander (24 de fevereiro de 2022). «Putin's claims that Ukraine is committing genocide are baseless, but not unprecedented». The Conversation. Consultado em 25 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2022 
  40. Hernandez, Joe (23 de fevereiro de 2022). «Why Luhansk and Donetsk are key to understanding the latest escalation in Ukraine». NPR. National Public Radio, Inc. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  41. Hodge, Nathan (26 de fevereiro de 2022). «Russia's Federation Council gives consent to Putin on use of armed forces abroad, Russian agencies report». CNN. Moscow. Consultado em 26 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2022 
  42. «Russia's Putin authorises 'special military operation' against Ukraine». Reuters. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 4 de março de 2022 
  43. «Russia attacks Ukraine». CNN. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2022 
  44. «Украинские пограничники сообщили об атаке границы со стороны России и Белоруссии» [Ukrainian border guards reported an attack on the border from Russia and Belarus] (em russo). Interfax. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2022 
  45. Kirby, Paul (24 de fevereiro de 2022). «Why is Russia invading Ukraine and what does Putin want?». BBC News. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2021 
  46. «Ukrainian president signs decree on general mobilisation of population -Interfax». Reuters. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 25 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2022 
  47. a b «Zelensky signs decree declaring general mobilization». Interfax-Ukraine. 25 de fevereiro de 2022. Consultado em 25 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2022 
  48. Chernova, Anna; Cotovio, Vasco; Thompson, Mark (28 de fevereiro de 2022). «Sanctions slams Russian economy». CNN. Consultado em 4 de março de 2022 
  49. a b "Ukraine emergency". UNHCR - The United Nations Refugee Agency, 01/05/2022
  50. Morin, Rebecca; Subramanian, Courtney; Collins, Michael; Garrison, Joey; Groppe, Maureen (24 de fevereiro de 2022). «World leaders condemn Russian invasion of Ukraine; EU promises 'harshest' sanctions – live updates». USA Today. Gannett. ISSN 0734-7456. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2022 
  51. Stewart, Briar; Seminoff, Corinne; Kozlov, Dmitry (24 de fevereiro de 2022). «More than 1,700 people detained in widespread Russian protests against Ukraine invasion». CBC News. CBC. Associated Press. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2022 
  52. a b «NATO to deploy thousands of commandos to nations near Ukraine». Al Jazeera English. Al Jazeera. 25 de fevereiro de 2022. Consultado em 26 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2022 
  53. Heintz, Jim; Isachenkov, Vladimir; Karmanau, Yuras; Litvinova, Dasha (27 de fevereiro de 2022). «Putin puts nuclear forces on high alert, escalating tensions». AP News. Kyiv: Associated Press. Consultado em 3 de março de 2022 
  54. «Istanbul Document 1999». Organization for Security and Co-operation in Europe. 19 de novembro de 1999. Consultado em 21 de julho de 2015 
  55. Harding, Luke; Borger, Julian; Chrisafis, Angelique (2 de abril de 2008). «Bush-Putin row grows as pact pushes east». The Guardian. Consultado em 15 de fevereiro de 2022 
  56. Dawar, Anil (4 de abril de 2008). «Putin warns Nato over expansion». The Guardian. Consultado em 15 de fevereiro de 2022. The Russian president, Vladimir Putin, today repeated his warning that Moscow would view any attempt to expand NATO to its borders as a 'direct threat'. 
  57. Chifu, Iulian; Nantoi, Oazu; Sushko, Oleksandr (2009). «Russia–Georgia War of August 2008: Ukrainian Approach». The Russian Georgian War: A trilateral cognitive institutional approach of the crisis decision-making process (PDF). Bucareste: Editura Curtea Veche. ISBN 978-973-1983-19-6. Consultado em 21 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 30 de setembro de 2018 
  58. Remarks concerning Ukraine, Vladimir Putin, makes a statement following the Security Council meeting on Donbass recognition Vídeo no YouTube, RT, 21 de fevereiro de 2022
  59. «Rada removes Yanukovych from office, schedules new elections for May 25». Interfax-Ukraine. 24 de fevereiro de 2014. Consultado em 15 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2020 
  60. Sindelar, Daisy (23 de fevereiro de 2014). «Was Yanukovych's Ouster Constitutional?». Radiofreeeurope/Radioliberty. Radio Free Europe/Radio Liberty. Consultado em 25 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 29 de julho de 2020 
  61. Feffer, John (14 de março de 2014). «Who Are These 'People,' Anyway?». HuffPost. Buzzfeed. Consultado em 17 de março de 2014. Arquivado do original em 18 de março de 2014. At that point, his own party abandoned him and called for a vote to take place. Parliament then voted to remove Yanukovych from office by a margin of 328 to 0. 
  62. Polityuk, Pavel; Robinson, Matt; Baczynska, Gabriela; Goettig, Marcin; Graff, Peter; Elgood, Giles (22 de fevereiro de 2014). Roche, ed. «Ukraine parliament removes Yanukovich, who flees Kiev in "coup"». Reuters. Kyiv: Thomson Corporation. Consultado em 18 de novembro de 2020. Arquivado do original em 9 de junho de 2016. Underscoring Ukraine's regional divisions, leaders of Russian-speaking eastern provinces loyal to Yanukovich voted to challenge anti-Yanukovich steps by the central parliament. 
  63. Fisher, Max (3 de setembro de 2014). «Everything you need to know about the Ukraine crisis». Vox (em inglês). Vox Media. Consultado em 24 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2022 
  64. Grytsenko, Oksana; Vlasova, Anastasia (12 de abril de 2014). «Armed pro-Russian insurgents in Luhansk say they are ready for police raid». Kyiv Post. Luhansk: Businessgroup LLC. Consultado em 1 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  65. Ragozin, Leonid (16 de março de 2019). «Annexation of Crimea: A masterclass in political manipulation». aljazeera.com (em inglês). Riga: Al Jazeera. Consultado em 24 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  66. «Вступление в НАТО и ЕС закрепили в Конституции. Что это означает?». BBC News Україна (em russo). Consultado em 10 de março de 2022 
  67. Новости, Р. И. А. «Небензя назвал вступление Украины в НАТО красной линией для России». РИА Новости (em russo). Consultado em 10 de março de 2022 
  68. Duggal, Hanna (25 de janeiro de 2022). «Infographic: Military capabilities of Russia and Ukraine». aljazeera.com. Al Jazeera. Consultado em 15 de fevereiro de 2022 
  69. «Relations with Ukraine». NATO. NATO. 11 de janeiro de 2020. Consultado em 15 de fevereiro de 2022 
  70. Getmanchuk, Alyona (30 de setembro de 2020). «Russia as aggressor, NATO as objective: Ukraine's new National Security Strategy». atlanticcouncil.org. Atlantic Council. Consultado em 15 de fevereiro de 2022 
  71. «Zelensky enacts strategy for de-occupation and reintegration of Crimea». Ukrinform. Governo da Ucrânia. 24 de março de 2021. Consultado em 15 de fevereiro de 2022 
  72. Putin, Vladimir (12 de julho de 2021). «Article by Vladimir Putin 'On the Historical Unity of Russians and Ukrainians'». The Kremlin. Governo da Rússia. Consultado em 1 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2021 
  73. Snyder, Timothy D. (18 de janeiro de 2022). «How to think about war in Ukraine». Thinking about... (newsletter). Substack. Consultado em 25 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2022. Historically speaking, the idea that a dictator in another country decides who is a nation and who is not is known as imperialism. 
  74. Lucas, Edward (15 de setembro de 2020). «Why Putin's history essay requires a rewrite». The Times. Times Newspapers. Consultado em 25 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2022 
  75. Roth, Andrew (7 de dezembro de 2021). «Putin's Ukraine rhetoric driven by distorted view of neighbour». The Guardian. Consultado em 25 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2021 
  76. Dickinson, Peter; Haring, Melinda; Lubkivsky, Danylo; Motyl, Alexander; Whitmore, Brian; Goncharenko, Oleksiy; Fedchenko, Yevhen; Bonner, Brian; Kuzio, Taras (15 de julho de 2021). «Putin's new Ukraine essay reveals imperial ambitions». Atlantic Council. Consultado em 25 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 15 de julho de 2021 
  77. Wilson, Andrew (23 de dezembro de 2021). «Russia and Ukraine: 'One People' as Putin Claims?». Royal United Services Institute. Consultado em 25 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2022 
  78. Taylor, Paul (23 de novembro de 2021). «Ukraine: NATO's original sin». Politico. Axel Springer SE. Consultado em 1 de fevereiro de 2022. The result heightened Kremlin's fears of encirclement and of losing the strategic depth that enabled Russia to prevail over Western invaders twice ... no amount of assurances that NATO is not a threat to Russia, that its purpose is purely defensive or that none of its weapons would ever be used except in response to an attack could assuage Moscow. 
  79. Guyer, Jonathan (27 de janeiro de 2022). «How America's NATO expansion obsession plays into the Ukraine crisis». Vox. Vox Media. Consultado em 20 de fevereiro de 2022. To the West, it's a statement of autonomy; to Russia, it's a threat. 
  80. Lee, Matthew; Cook, Lorne (7 de janeiro de 2022). «US, NATO rule out halt to expansion, reject Russian demands». AP News (em inglês). Associated Press. Consultado em 24 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2022 
  81. Agencies (13 de setembro de 2014). «Putin wants to destroy Ukraine and restore Soviet Union, says Yatseniuk». The Guardian. Consultado em 25 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2022 
  82. Bullough, Oliver (28 de março de 2014). «Vladimir Putin: The rebuilding of 'Soviet' Russia». BBC. Consultado em 25 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2022. 'He does not understand that the collapse of the Soviet system was predetermined, therefore he believes his mission is to restore the Soviet system as soon as possible,' he (Vladimir Bukovsky) says. 
  83. Rubin, Trudy (11 de janeiro de 2022). «Putin wants to reestablish the Russian empire. Can NATO stop him without war?». The Philadelphia Inquirer. Interstate General Media. Consultado em 25 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2022. He wants to rebuild the former Soviet sphere of influence that extended from Central Europe through Central Asia, and views this effort as a restoration of Russian greatness. 
  84. «Lithuanian president: Russia's attempts to create 'zones of influence' will not be tolerated». LRT English. Photograph by Office of the Lithuanian President. Lithuanian National Radio and Television. Baltic News Service. 20 de dezembro de 2021. Consultado em 25 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2022 
  85. Wiktor, Szary; Sobczak, Pawel; Emmott, Robin; Sytas, Andrius; Muller, Robert; Dagenborg, Joachim (20 de junho de 2016). Boulton, ed. «In push for equal NATO status, Poland asks for flashpoint troops». Reuters. Thomson Corporation. Consultado em 25 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2022 
  86. Tétrault-Farber, Gabrielle; Balmforth, Tom (17 de dezembro de 2021). «Russia demands NATO roll back from East Europe and stay out of Ukraine». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  87. MacKinnon, Mark (21 de dezembro de 2021). «Putin warns of unspecified military response if U.S. and NATO continue 'aggressive line'». The Globe and Mail (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  88. «Putin Says Conflict in Eastern Ukraine 'Looks Like Genocide'». AFP. The Moscow Times. 10 de dezembro de 2021 
  89. «Путин заявил о геноциде на Донбассе». Rossiyskaya Gazeta (em russo). 9 de dezembro de 2021 
  90. a b «US accuses Moscow of creating Ukraine invasion pretext with 'genocide' claims». AFP. France 24. 15 de fevereiro de 2021 
  91. Vasilyeva, Nataliya (19 de fevereiro de 2022). «Russians accuse Ukrainians of genocide as they pave way for potential invasion». The Telegraph 
  92. «Report on the human rights situation in Ukraine» (PDF). OHCHR. 15 de junho de 2014 
  93. «Civic Space and Fundamental Freedoms in Ukraine» (PDF). OHCHR. 2021 
  94. «Daily and spot reports from the Special Monitoring Mission to Ukraine». OSCE 
  95. «Ad hoc Report on the situation of national minorities in Ukraine adopted on 1 April 2014». Council of Europe. 2 de abril de 2014. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2022 
  96. «DISINFORMATION ABOUT THE CURRENT RUSSIA-UKRAINE CONFLICT – SEVEN MYTHS DEBUNKED». Directorate-General for European Neighbourhood Policy and Enlargement Negotiations (Nota de imprensa) (em inglês). 24 de janeiro de 2022. Consultado em 22 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2022 
  97. «United States: Russia's claim of 'genocide in Ukraine' is reprehensible falsehood». Ukrinform. 17 de fevereiro de 2022. Consultado em 22 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2022. The Embassy of the United States of America in Ukraine called Russia's claim of "genocide in Ukraine" reprehensible falsehood. 
  98. «US condones forceful assimilation of Russians in Ukraine – Russian ambassador to US». TASS. 18 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2022 
  99. a b c «Ucrânia não é nazista, mas tem milícias neonazistas». Poder360. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  100. Tecedeiro, Helena (25 de fevereiro de 2022). «Zelensky vs Putin. O frente-a-frente entre o ″palhaço″ e o espião». www.dn.pt. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  101. a b Mark MacKinnon and Adrian Morrow. «Putin orders snap nuclear drill». The Globe and Mail. p. A3 
  102. «Ukraine: How big is Russia's military build-up?». BBC News. 17 de fevereiro de 2022 
  103. «Ukraine, West accuse Russia of trying to create pretext for invasion after shelling in east». MSN. 17 de fevereiro de 2022 
  104. Light, Felix (20 de fevereiro de 2022). «In the Closest Russian City to Ukraine's Separatist Region, There Are Few Signs of Refugees». The Moscow Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  105. «Russian-backed separatists announce civilian evacuation from eastern Ukraine as escalation stokes Russian invasion fears». NBC News. 18 de fevereiro de 2022 
  106. Smith, Alexander (18 de fevereiro de 2022). «Warning siren sounds in rebel-held capital in east Ukraine -Reuters witness». MSN News 
  107. «Ukraine conflict: Rebels declare general mobilisation as fighting grows». BBC News (em inglês). 19 de fevereiro de 2022. Consultado em 19 de fevereiro de 2022 
  108. «47 shelling incidents leave 5 injured in Donbas». Kyiv Independent. 18 de fevereiro de 2022. Consultado em 18 de fevereiro de 2022 
  109. «How Russian proxy forces are attempting to provoke the Ukrainian army and are lying about a new Ukrainian offensive». NV.UA. 18 de fevereiro de 2022. Consultado em 18 de fevereiro de 2022 
  110. ФСБ сообщила о попадании снаряда в погранпункт на границе с ДНР [The FSB reported that a shell hit the border checkpoint on the border with the DPR]. RBK Daily (em russo). RBK Group. 21 de fevereiro de 2022. ISSN 1991-0703. OCLC 849495462. Consultado em 22 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2022 
  111. «Российские военнослужащие уничтожили пять диверсантов с Украины при нарушении границы» (em russo). TASS. 21 de fevereiro de 2022 
  112. «Russia Says Border Facility Near Ukraine Destroyed in Shell Attack». The Moscow Times. 21 de fevereiro de 2022. Consultado em 21 de fevereiro de 2022 
  113. «Two Ukraine soldiers, civilian killed in shelling». Al-Arabiyah (em English). 21 de fevereiro de 2022. Consultado em 22 de fevereiro de 2022 
  114. «'Dumb and lazy': the flawed films of Ukrainian 'attacks' made by Russia's 'fake factory'». The Guardian. 21 de fevereiro de 2022. Consultado em 22 de fevereiro de 2022 
  115. «Four Russian false flags that are comically easy to debunk». The Telegraph. 21 de fevereiro de 2022. Consultado em 22 de fevereiro de 2022 
  116. «Russia's 'Idiotic' Disinformation Campaign Could Still Lead to War in Ukraine». Vice Media. 21 de fevereiro de 2022. Consultado em 22 de fevereiro de 2022 
  117. Mazneva, Elena; Chourisna, Kateryna (22 de fevereiro de 2022). «Ukraine Power Plant Damaged During Two Days of Shelling». Bloomberg. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  118. «Putin orders troops into separatist-held parts of Ukraine». CNN. 21 de fevereiro de 2022 
  119. Philp, Catherine; Wright, Oliver; Brown, Larissa (22 de fevereiro de 2022). «Putin sends Russian tanks into Ukraine». The Times (em inglês) 
  120. «Putin orders troops into eastern Ukraine on 'peacekeeping duties'». The Guardian. 21 de fevereiro de 2022 
  121. «Ucraina, i primi soldati russi nel Donbass». la Repubblica (em italiano). 22 de fevereiro de 2022. Consultado em 21 de fevereiro de 2022 
  122. «Putin's Ukraine peacekeepers "aren't fooling anyone," US warns». Newsweek (em inglês). 21 de fevereiro de 2022 
  123. «Chilling social media footage emerges of convoys of Russian military equipment entering Donbas in Ukraine». Sky News (em inglês). 22 de fevereiro de 2022 
  124. «Russian troops in east Ukraine an 'invasion,' White House declares - National». Global News (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2022 
  125. Zinets, Natalia; Williams, Matthias (22 de fevereiro de 2022). «Ukrainian president drafts reservists but rules out general mobilisation for now». Reuters (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  126. Kingsley, Thomas (23 de fevereiro de 2022). «Ukraine to introduce a state of emergency and tells its citizens to leave Russia immediately». The Independent. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  127. «Ukraine's Parliament approves state of emergency». reuters.com. Reuters. 23 de fevereiro de 2022. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. The state of emergency comes into force at midnight local time (1000 GMT). It will last 30 days and can be extended for another 30 days. 
  128. Litvinova, Dasha (23 de fevereiro de 2022). «Russia evacuates embassy in Ukraine as crisis escalates». Associated Press. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  129. «Ukraine hit by more cyberattacks, destructive malware». Associated Press (em inglês). 23 de fevereiro de 2022. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  130. News, A. B. C. «Putin gets no support from UN Security Council over Ukraine». ABC News (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  131. CNN, Amy Woodyatt. «Kenya's UN ambassador slams Russia and compares Ukraine crisis to Africa's colonial past». CNN. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  132. a b «'It's too late': Russian move roils UN meeting on Ukraine». AP NEWS (em inglês). 23 de fevereiro de 2022. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  133. «U.S. Says Russia Will Face U.N. Security Council Resolution». WSJ (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  134. «Russian President Vladimir Putin announces military assault against Ukraine in surprise speech». MSN. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2022 
  135. «Full text: Putin's declaration of war on Ukraine». The Spectator. 24 de fevereiro de 2022 
  136. «Путин принял решение о проведении операции по денацификации и демилитаризации Украины» [Putin decided to conduct an operation to de-Nazify and demilitarise Ukraine]. TASS (em russo). 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2022 
  137. «Putin's claims that Ukraine is committing genocide are baseless, but not unprecedented». The Conversation. 25 de fevereiro de 2022 
  138. «Ukraine conflict: Russian forces attack after Putin TV declaration». BBC News. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2022 
  139. «Putin announces 'special military operation' in Ukraine». Politico. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2022 
  140. «Russia-Ukraine crisis live news: Putin has launched 'full-scale invasion', says Ukrainian foreign minister – latest updates». The Guardian. 16 de julho de 2018. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2022 
  141. «'It's too late': Russian move roils UN meeting on Ukraine». AP News. 23 de fevereiro de 2022. Consultado em 3 de março de 2022 
  142. a b Sly, Liz; Lamothe, Dan (20 de março de 2022). «Russia's war for Ukraine could be headed toward stalemate». The Washington Post. Consultado em 24 de março de 2022 
  143. Boot, Max (21 de março de 2022). «Opinion: Against all odds, Ukrainians are winning. Russia's initial offensive has failed.». The Washington Post. Consultado em 24 de março de 2022 
  144. Kemp, Richard (22 de março de 2022). «The Russian army has run out of time». The Daily Telegraph. Consultado em 24 de março de 2022 
  145. Gordon, Michael R.; Leary, Alex (21 de março de 2022). «WSJ News Exclusive | Russia, Failing to Achieve Early Victory in Ukraine, Is Seen Shifting to 'Plan B'». The Wall Street Journal. Consultado em 24 de março de 2022 
  146. Ali, Idrees; Stewart, Phil (27 de fevereiro de 2022). «Russian forces appear to shift to siege warfare in Ukraine- U.S. official». Reuters. Consultado em 24 de março de 2022 
  147. «Operation in Ukraine proceeds as planned, first stage goals complete». TASS. 26 de março de 2022. Consultado em 27 de março de 2022 
  148. «Russia targets east Ukraine, says first phase over». BBC. 26 de março de 2022. Consultado em 27 de março de 2022 
  149. «Russia's war in Ukraine stalls amid casualties, equipment losses». The Washington Post. Consultado em 27 de março de 2022 
  150. «Ukraine loses control of Chernobyl nuclear site, amid battles in Kyiv outskirts». The Times of Israel. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 25 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2022 
  151. «Українські військові під Києвом зупинили колону російських танків» [The Ukrainian military stopped a column of Russian tanks near Kyiv]. Gazeta (em Ukrainian). 25 de fevereiro de 2022. Consultado em 25 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2022 
  152. AP. «Russia claims to take control of Hostomel airport just outside Kyiv». www.timesofisrael.com. The Times of Israel. Consultado em 25 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2022 
  153. «Battle Underway for Airbase on Kyiv Outskirts». The Moscow Times. AFP. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 25 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2022 
  154. «Russia claims to take control of Hostomel airport just outside Kyiv». The Times of Israel. AP